A Polícia Militar e o olhar preventivo

12/06/2018 | Compartilhe:

A criminalidade, a violência e as drogas alcançam números estratosféricos no Brasil, que, aliás, possui uma das maiores populações carcerárias do planeta. Parece que esse cenário piora a cada dia, pois a todo momento pessoas são presas pela polícia, que atua com grande expressividade na repressão, sem falar que muitas pessoas veem o encarceramento como a única medida para estancar a criminalidade. Mas será esse o foco e o único caminho para se alcançar a tão desejada paz social?

A resposta talvez seja buscar o olhar global pela prevenção e não tão somente pela repressão, evitando, assim, ou procurando evitar que o crime aconteça.

Nesse contexto, pode-se citar a Constituição  de 1988, em seu artigo 144, que aponta a Polícia Militar como a protagonista nesse cenário preventivo.

Ressalte-se que a Polícia Militar de Santa Catarina (PMSC), uma referência positiva para o país, sabe da importância de se atuar repressivamente, mas sobretudo preventivamente, pois desenvolve e estimula vários programas que buscam a capacitação de crianças, adolescentes e adultos.

Nesse sentido, pode-se citar: os Conselhos Comunitários de Segurança (CONSEGs); Rede de Segurança Escolar; Rede de Vizinhos, e o Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência (Proerd), dentre outros.

Destaque-se este último, que neste ano de 2018, completou 20 anos de atuação no Estado de Santa Catarina, formando mais de 1 milhão de crianças, que passaram por capacitação em sala de aula, sendo estimuladas a refletir sobre suas escolhas e atitudes.

Mas o Proerd não cessa por aí, e vai mais além, pois busca fortalecer a tríade FAMÍLIA – ESCOLA – POLÍCIA MILITAR, capacitando inclusive os pais no currículo Proerd Pais.

Entretanto, muitos questionam e criticam pela falta de números quando o assunto é prevenção. Sobram críticas, por exemplo, sobre os resultados do Proerd, dizendo que não são mensuráveis e cuja efetividade é falha diante da crescente violência e uso de drogas. Entretanto, para os incrédulos, deixa-se as seguintes perguntas: Como efetivamente medir que o cidadão que dirigia embriagado e foi abordado pela polícia iria colidir o carro? Como efetivamente medir que cada adolescente que recusou usar um cigarro de maconha foi devido aos ensinamentos do Proerd? Se não há números, deve-se parar então? E se nada fosse feito, como estaria o cenário hoje? O programa que não funciona ou é o meio que não é devidamente trabalhado pelas demais instituições e pelo poder público? Quantos mais estariam nas drogas se não fosse a forte atuação do Proerd, das fiscalizações de trânsito e de toda iniciativa que objetiva a prevenção?

Vale ressaltar a definição de Ética, dada pelo professor Clóvis de Barros:

“Ética é a busca pela melhor maneira de viver e conviver em sociedade”.

Percebe-se que a PMSC em seus vários programas e ações trilha por esse caminho, fortalecendo as pessoas para um olhar para o bem, contribuindo para que busquem alternativas e não se sintam atraídas para o mundo das drogas e da violência.

Entretanto, não há dúvidas que o crime, a violência e o obscuro caminho das drogas encontram seus adeptos, mas o olhar preventivo e da conscientização é estimulado desde a mais tenra idade pelos policiais militares em contato com a comunidade.

Assim, uma sociedade sem crimes, sem encarcerados, parece ser algo distante da nossa realidade ou de qualquer outra, independente se seja uma sociedade desenvolvida ou não. Portanto, as prisões continuarão existindo e aumentando até que a sociedade e todas as instituições se engajem nesse olhar e agir, pois se isso não ocorrer, a forte repressão sempre será a saída enfatizada por muitos e, mesmo que as instituições de segurança se esforcem, será insuficiente para a paz social, mesmo que as instituições policiais busquem a prevenção em ações e programas será insuficiente para a verdadeira mudança na sociedade.

A Polícia Militar de Santa Catarina está fazendo a sua parte, seja na repressão ou na prevenção, trazendo esperança e um novo brilho em cada amanhecer.

 

Texto: Luiz Wiltner, 1º sargento da Polícia Militar de Santa Catarina, atualmente trabalha na Seção de Comunicação Social do 14º Batalhão.

*as opiniões e ideias expressas no texto é de responsabilidade do autor.

Participe do grupo de notícias do 14º Batalhão Retornar para Home
1º Sargento Luiz Wiltner

1º Sargento Luiz Wiltner

Seção de Comunicação Social

Somos 14º Batalhão Governo de Santa Catarina 14º Batalhão | Somos online
----------- +++++++++++